- Publicidade -

PCMG

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), em parceria com a Receita Estadual, deflagrou, nessa quinta-feira (9), a operação “Fake News”, com o objetivo de desarticular um esquema montado para fraudar seguro de carga, no Sul de Minas. Na ocasião, foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão no município de Três Pontas.

As investigações tiveram início em abril deste ano, após a ocorrência do roubo de uma carga na Rodovia 167. O motorista procurou a polícia alegando ter sido abordado por homens armados que o fizeram refém, liberando-o na cidade de Perdões.

Entretanto, após diligências realizadas nos municípios de Três Pontas, Coqueiral, Três Corações e na região do Trumbuca, distrito pertencente à Nepomuceno, os policiais constataram ter havido uma simulação de roubo para fraudar o seguro da carga, conforme explicou o Delegado Gustavo Gomes.

- Publicidade -

Segundo apurado, 335 sacas de café em grão teriam sido embarcadas no caminhão, pesadas em uma balança nas proximidades e, em seguida, descarregadas no próprio armazém de origem. O motorista teria seguido com o caminhão vazio pela Rodovia 167 onde, no município de Santana da Vargem, ocorreu a simulação do roubo, com o objetivo de obter o prêmio do seguro da carga avaliado em cerca de R$ 100 mil.

Os suspeitos ainda chegaram a abandonar o veículo, usando bloqueadores de sinal, em um local seguro, e noticiaram o crime em Perdões, visando atrapalhar as investigações. “As vítimas passaram a ser suspeitos do crime de estelionato na modalidade de fraude contra seguros”, afirmou Gomes.

O lucro dos suspeitos teria atingido, pelo menos, o dobro do valor do seguro, pois além do prêmio, eles teriam colocado toda a carga de café no mercado usando notas fiscais inidôneas.

Três mandados de busca e apreensão foram cumpridos nas residências dos investigados e o outro, no armazém onde foi realizado o levantamento contábil para apurar crimes tributários. Foram apreendidos notebooks, celulares, dinheiro e todos os registros de movimentação fiscal da empresa, que passarão por análise e auditoria da Receita Estadual e da perícia técnica da PCMG.

“As investigações avançam, mas o inquérito, nessa primeira fase, encerra-se com a constatação e futuro indiciamento por fraude contra seguro e associação criminosa. Em um segundo momento, as investigações tendem a avançar em relação aos crimes tributários”, concluiu Gomes.

O nome da operação “Fake News” faz alusão ao meio utilizado pelos suspeitos como forma de fraudar o seguro da carga.

A ação foi realizada pela equipe da Delegacia de Polícia Civil em Três Pontas, com o apoio das Delegacias de Polícia Civil em Boa Esperança, Guapé e Varginha.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui